Saiba mais Sobre o Encontro Nacional dos Estudantes de Farmácia – ENEF que será realizado em Porto Alegre.

Clique aqui e veja a programação, como fazer sua inscrição e de sua escola, as mesas e cursos e todas as outras atividades.

ENEF Campinas: desafios de um novo MEF!

Campinas sediou entre os dias 26 e 31 de julho o XXXII Encontro Nacional dos Estudantes de Farmácia (ENEF). O Encontro recebeu delegações de diferentes estados, totalizando mais de 550 estudantes de farmácia de todo o Brasil. O ENEF teve por objetivo promover o encontro entre as regionalidades de nosso país e do movimento estudantil com as bandeiras de luta da Executiva Nacional dos Estudantes de Farmácia (ENEFAR).

Barracas de todo o Brasil!

O Ginásio de esportes da Unicamp ficou pequeno para as inúmeras barracas e colchões, logo ficou tomado por elas, estudantes do Brasil inteiro vivendo sob o mesmo teto durante 6 dias. A abertura ocorreu domingo à tarde com a mesa intitulada Movimento Estudantil na qual teve como participantes Firmínia Rodrigues, Francisco Gick e Lucas Rodrigues, ex-dirigentes do MEF e Jorge Luis Santos Carlos, atual Coordenador de Educação da ENEFAR. Juntos apresentaram relatos e opiniões a cerca do passado da Executiva, bem como contribuíram com perspectivas para o próximo período do movimento estudantil.

Além deste tema, duas outras mesas foram debatidas: Educação e Trabalho. Com a exposição de professores e estudantes estas atividades eram seguidas de Grupos de Trabalho (GT`s). Este espaço servia como um momento de troca de idéias e informações entre os estudantes acerca da vida acadêmica e a futura profissão, relacionando esta com a sociedade e estabelecendo um espaço rico para propostas de atuação dos estudantes em prol da transformação sócio-cultural.

CCBEF No ENEF ocorreram ainda oficinas, grupos de trabalhos temáticos, espaços transversais e as festas diárias. O Congresso Científico Brasileiro dos Estudantes de Farmácia (CCBEF) foi inovado com o teatro promovido pelo Diretório Acadêmico da Faculdade de Farmácia (DAFF-UFRGS), debatendo de forma diferente a iniciação científica e a produção da tecnologia na academia. Nos espaços transversais os movimentos sociais foram convocados para contribuírem no Encontro com presença do movimento de mulheres.

Durante a semana sentiu-se a necessidade de avaliação do ENEF, devido a maneira que estava organizada a estrutura e a grade de programação do encontro. Para isso, durante a realização da ‘’Plenarinha’’ da quarta-feira a noite foi decidida a supressão do ato público do dia seguinte cuminando na realização de uma atividade de avaliação do Encontro e (in) formação dos participantes. Dois terços dos participantes do ENEF estavam participando pela primeira vez e muitos desconheciam o MEF e o que era realmente o Encontro.

A tarde de quinta-feira foi um momento importante na organização desse ENEF pois, ao ser feita a avaliação do Encontro pode-se perceber a renovação do movimento estudantil de farmácia. Havia nos espaços novos estudantes com sede de debate e conhecimento pelas bandeiras de luta e reivindicações do movimento estudantil brasileiro. A plenária realizada neste dia apontou demandas e sugestões a serem adotadas pela sede do próximo ENEF, desde a pré-organização até a maneira a serem os espaços do Encontro. Ao reconhecer as limitações deste ENEF se reconheceu este como uma atividade política dos estudantes de farmácia do país.

plenaria final

Na manhã de sexta a preocupação a respeito da Nova Gripe fez com que a comissão organizadora suspendesse o dia de turismo do Encontro (TUREF), bem como encaminhasse a conclusão das atividades do ENEF. A plenária final ocorrida no início da tarde teve como função analisar as propostas vindas dos GT`s e estabelecer diretrizes de atuação do movimento estudantil de farmácia. Nas ‘’Plenarinhas’’, realizadas na segunda e na quarta-feira à noite, foram encaminhadas as propostas de maneira a aliviar a demanda a ser analisada na plenária final.

Às 16h30 iniciaram-se as apresentações das candidaturas às Executivas Regionais, sede do ENEF 2010 e da Coordenação Nacional da ENEFAR 2009/2010. O voto para a sede do próximo ENEF foi feito de maneira secreta, dentre as candidaturas de Porto Alegre e Salvador, os gaúchos foram os eleitos por uma diferença de apenas 11 votos. Quanto à candidatura para a Coordenação Nacional havia chapa única: ‘’Não há luta sem amor’’, composta por estudantes da UFMA, UFPI e UFPA. Depois de muito debate na plenária a chapa foi eleita com 57 votos a favor em um total de 116 votantes. Após a votação, deu-se por encerrada as atividades do XXXII ENEF.

O próximo encontro do MEF, LXXII Conselho Nacional dos Estudantes de Farmácia (CoNEEF), ocorre em Recife-PE, no mês de outubro desse ano. Neste Encontro ocorrerá a posse das Executivas Regionais e da Coordenação Nacional da ENEFAR.

Saudação a todos os participantes desse ENEF que ajudaram a fazer desse um grande encontro, plural de idéias, que marcou mais um momento da história do movimento estudantil de farmácia. Até Porto Alegre, em 2010!

Mudança na conta para depósito para o segundo lote

A nova conta para depósito do ENEF é a seguinte:

Banco do Brasil

Agencia 4708-2
Conta 30504-9
Variação 01
Annalu da Silva Oliveira de Deus

Esta é a conta poupança para depósito do segundo e terceiro lotes.

Quanto está a inscrição agora?

120,00 2º lote de 20/06 até 10/07

140,00 3º lote a partir de 13/07 até 26/07

No dia do encontro 150,00

*Os CA/DA’s que não estiverem em dia com a anuidade da ENEFAR terão um acréscimo de R$ 5,00 por inscrição;

PARA INFORMAÇÕES SOBRE O ACERTO DE ANUIDADES ENTRE EM CONTATO COM A TESOURARIA DA ENEFAR:

Annalu de Deus – UFPI

Coordenador Tesoureiro

annaluzinhaa@gmail.com

Tel: (86) 9993 3771
*COMUNIQUE NO EMAIL annaluzinhaa@gmail.com O NÚMERO DO COMPROVATE DE DEPÓSITO E AGUARDE RETORNO COM A CONFIRMAÇÃO DE RECEBIMENTO;

Congresso Científico Brasileiro dos Estudantes de Farmácia (CCBEF)

O Congresso Científico Brasileiro dos Estudantes de Farmácia (CCBEF) é a atividade do ENEF voltada para a ciência. Essa apresentação básica já traz por si só alguns questionamentos primordiais. Pensemos inicialmente no mais essencial: o que diz respeito à ciência e à atividade propriamente dita. Que ciência é essa? Como montar essa atividade? Para compreendermos as questões que se colocam (e que já são bastante complexas), precisamos de referenciais. Os autores utilizados como referencia para a elaboração do projeto apresentado pelo DAFF-UFRGS nos dois últimos CoNEEFs  nesta lista são Edgar Morin e Paulo Freire. Ambos têm como uma das principais bases de suas obras o Marxismo. Desta forma, a contextualizaçã o da ciência e sua relação com a sociedade norteia este projeto. O conceito de complexidade, segundo Edgar Morin, nos demonstra que os conhecimentos sobre um objeto são conhecimentos mutilados se não estiverem articulados com o conhecimento dos sujeitos que estudam esse objeto. Isso já nos dá base para iniciar uma resposta à primeira pergunta colocada acima: só podemos compreender a complexidade da ciência se estudarmos também os sujeitos que fazem essa ciência na nossa sociedade. Nós, estudantes de Farmácia, somos uma das categorias desses sujeitos que fazem ciência. Ou seja, não basta olhar para a ciência, precisamos também refletir e discutir sobre o que nós estamos fazendo. Fazendo como? Com autonomia ou só reproduzindo? Aí entra o conceito de autonomia educacional do Paulo Freire: quem se limita a reproduzir, não (se) emancipa, não cria, não transforma. Para o CCBEF, portanto, não deveríamos simplesmente reproduzir um modelo importado de congressos ou salões de iniciação científica, mas criar uma atividade que contemple as relações ciência-estudante de Farmácia/estudante de Farmácia-ciência que ocorrem na nossa sociedade. Desta forma, o objetivo geral desta proposta é que os estudantes apresentem, reflitam e discutam sobre o seu fazer ciência na sociedade brasileira. Para tanto, as atividades a serem realizadas devem ser construídas primordialmente pelos próprios estudantes.

Retirado do e-mail do companheiro Antônio – UFRGS com modificações