Materiais de Formação para o XXXVI Encontro Nacional dos Estudantes de Farmácia

 XXXVI ENEF - 2013

Com o objetivo de organizar os debates  e acúmulo de nossa executiva viemos disponibilizar um Caderno de textos para o XXXVI Encontro Nacional dos Estudantes de Farmácia  (ENEF). O XXXVI ENEF acontecerá nos dias 18 a 25 de agosto de 2013 em Curitiba no Parana e  terá como tema “Os desafios do Farmacêutico frente a Medicalização da Vida na Cultura de Consumo. Continuar lendo

Cartilha para @s Facilitadores do ENEF

Salve pessoal, o ENEF está chegando e é importante estar preparado.

Baixe aqui a Cartilha preparada pela comissão político pedagógica do ENEF. Ela foi feita com o objetivo de subsidiar a atuação d@s facilitadores.

Mesmo que vocês não seja um, fique a vontade para ler e colaborar nas discussões.

Obs: não se assuste com o número de páginas, é que ela está em A5 (½ A4) para facilitar a impressão em formato de “cartilhazinha”.

Pré- ENEF: Material de Apoio

Para participarmos de forma plena do ENEF, é necessário estar inteirado das discussões que irão acontecer lá. Afinal precisamos de futuros trabalhadores conhecedores de seu papel na transformação da saúde e da sociedade, para não sermos meros “empurroterapeutas” ou estudantes que levantam crachás de acordo com a vontade das “direções” e presidentes.

Aqui estão algumas sugestões de leituras preparadas pela comissão político pedagógica do ENEF (em cada um dos temas possui textos com diferentes concepções, para manter a pluralidade de idéias):


Boas Vindas ao Movimento Estudantil de Farmácia (MEF):

Carta aos calouros do MEF e da ENEFAR.


Tema do ENEF:

1. XXXI Encontro Nacional dos/as Estudantes de Farmácia:“Da competência técnica ao compromisso político”


Educação e Universidade:

1. A Delinqüência Acadêmica

2. PROLETARIZAÇÃO ESTUDANTIL E UNIVERSIDADE: QUE TÊM OS MOVIMENTOS SOCIAIS A VER COM ISSO?

3. EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAPITAL

4. UNIVERSIDADE POPULAR: UMA LUTA NECESSÁRIA PARA A REVOLUÇÃO SOCIALISTA.


Movimento Estudantil:

1. MOVIMENTO ESTUDANTIL, MOVIMENTO SOCIAL?

2. Democracia, autogestão e movimento estudantil.


Saúde:

1. Texto Base: saúde anais do ENEF

2. Saúde na Lógica de Mercado: UMA AMEAÇA REAL

3. Os vendedores de doenças

4. Os hospitais universitários e sua crise!

5. FUNDAÇÃO ESTATAL, UM PROJETO DO CAPITAL.


Educação Farmacêutica:

1. EDUCAÇÃO FARMACÊUTICA: BUSCANDO A COMPETÊNCIA TÉCNICA E OCOMPROMISSO POLÍTICO.

2. Defender as Ciências da Saúde e da Educação: superar os limites da formação tecnicista e garantir e formação científica e popular.

3. FARMACÊUTICO: PROFISSIONAL DE SAÚDE E CIDADÃO


Cultura e o MEF:

1. DOS ALUNOS PARA OS ALUNOS – TEATRO MUSICAL POÉTICO NO MEF.


SOCIEDADE:

1. Neoliberalismo e Formação Profissional em Saúde.

2. Pirataria Moderna


Em Breve + textos sobre os outros temas.

“A história se repete, é nosso dever transformar”

O Ano de 2007 foi marcado pela reorganização do movimento estudantil em várias universidades. No Brasil foram realizadas mais de 20 ocupações. Na França houve 42 ocupações simultâneas. A pauta: a defesa do ensino de qualidade. Depois de reflexões, @s estudantes perceberam que já não basta lutar pela “público, gratuita e de qualidade”, é necessário mudar o foco da produção de conhecimento desenvolvido nas universidades. Como escreveu Maurício Tragtenberg, “A não preocupação com as finalidades sociais do conhecimento produzido se constitui em fator de ‘delinqüência acadêmica’ ou da ‘traição intelectual’”. André Caribé nos lembra em seu “Ensaio para uma Universidade Popular”, que o movimento estudantil não é a vanguarda, mas parte dela. Ao perceber isso temos que ter claro que as lutas pela educação e a própria construção do conhecimento devem ser feitas junto com o povo. Ao não nos colocarmos ao lado dos trabalhadores corremos o risco de sermos meros “militont@s”, que organizam reuniões e encontros, servindo para encontrar amigos e estabelecer futuros contatos profissionais. Muita mediocridade se for realmente esse o objetivo.
Para que servem e serviram as ocupações?
Sem querer resumir o que é uma ocupação e toda a subjetividade que ela carrega, podemos verificar que elas foram verdadeiros pólos aglutinadores não só dos que querem uma educação de qualidade, mas que lutam por outro projeto de sociedade.
Em 2008, comemoramos 40 anos do Maio francês de 68, considerado o maior levante popular do século XX. É assim considerado, pois envolveu setores e toda a sociedade francesa, mais de 10 milhões de trabalhadores pararam. Tudo isso começou com greves e ocupações estudantis.
Uma frase que deve estar sempre presente no nosso cotidiano é aquela que era encontrada nos muros de 1968: “Sejamos realistas, exijamos o impossível”.
O ano de 2008 promete, não só pelas comemorações de 40 anos do Maio de 68, mas por ter o ME várias perguntas para responder:
I. Para quem produzimos conhecimento?
II. Estamos realmente produzindo conhecimento e lutando ao lado do povo ou
sendo “militont@s”?
III. A forma clássica de ser esquerda possibilita a participação de tod@s? Dá
voz a tod@S?
Quando o impossível se torna cotidiano, ai é revolução
Ernesto Guevara.
Para entrar no assunto recomenda-se:
CARIBÉ,D. Ensaio sobre a Universidade Popular. Disponível em:
http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2008/01/408104.shtml
TRAGTENBERG, M. A Delinquência Acadêmica. Disponível em:
http://www.espacoacademico.com.br/014/14mtrag1990.htm